8 de junho de 2020

Voltar

5 dicas para usar as OTAs ao seu favor

A palavra LUXO sem dúvida se deteriorou ao longo dos anos, e a hotelaria é uma das culpadas.

Leia mais sobre a ressignificação do Luxo nos tempos atuais pela visão da editora de Viagens da Robb Report, Jackie Caradonio.

O título pode ter sido ‘duro’ (e talvez você tenha clicado por causa dele), mas acredite, vale a leitura. No final, deixe seu comentário…quem sabe você até concorde que o Luxo morreu mesmo!!!

Em um mundo no qual a palavra “luxo” é aplicada a qualquer coisa, as marcas de hospitalidade sofisticadas precisam desenvolver maneiras novas e autênticas de se conectar com os consumidores.

Já se passaram mais de 10 anos desde que Andrew Sacks, um especialista em marketing de alto padrão de Nova York, disse a uma sala cheia de hoteleiros na conferência anual da Leading Hotels of the World em Mônaco que ‘luxo’ estava ‘morto’. Ele não estava falando sobre o conceito – com certeza, uma década depois, sabemos que o luxo está muito vivo e bem. Ele falava sobre a palavra. O termo era tão usado, que praticamente perdeu todo o significado.

Dez anos depois, a palavra LUXO continua sendo muito difundida, mas de fato perdeu muito do seu poder. Entre spas luxuosos para animais de estimação, bolsas de fraldas luxuosas, dentistas de luxo e chaveiros de luxo (sim, todos eles se intitulam assim), parece que tudo e todos estão voltados para o bem estar – ou pelo menos passam essa percepção. Então, as marcas verdadeiramente sofisticadas ficam com um desafio: Como transmitir luxo em um mundo onde tudo se diz ser luxuoso?

Voltar